quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Sem desculpas

Na semana passada quase adotei um cachorrinho. Ele foi deixado no portão da casa da minha sogra, magrinho, com fome e chorando. Eu e o Duda decidimos adotá-lo. O veterinário, porém, descobriu um vírus incurável e o bichinho teve de ser sacrificado. Nem cheguei a conhecer o cão (como dizem os anúncios, a imagem ao lado é meramente ilustrativa). Fiquei bastante triste, pois tudo poderia ser evitado com uma simples vacina. É uma pena que os responsáveis pelo filhote não tenham procurado ajuda. Pior ainda: tem gente que trata suas crianças da mesma forma, deixando passar prazos de vacinas que são aplicadas e distribuídas gratuitamente. Pra descaso e descuido, não há desculpas.